4 LOJAS EM RIBEIRÃO, 1 EM SERTÃOZINHO E 1 EM BONFIM PAULISTA!

Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

Bem-vindo(a) ao Cenourão! Faça seu login ou crie sua conta.

Nozes ajudam na perda de peso

Segundo novo estudo americano, o consumo de nozes ajuda na perda de peso ao reduzir o apetite

21/08/2017

 

Nozes são ricas em ômega-3 e outras substâncias que, quando consumidas regularmente, podem reduzir os riscos de desenvolver obesidade e diabetes. Ainda, de acordo com um novo estudo publicado no periódico científico Diabetes, Obesity and Metabolism, elas podem reduzir o apetite e servir como ferramenta eficiente na perda de peso. Cientistas do Centro Médico Beth Israel Deaconess, nos Estados Unidos, estudaram a forma como nove pacientes obesos reagiam à uma dieta com o fruto. Durante cinco dias consecutivos, os pacientes, que estavam internados no hospital, foram divididos em dois grupos: uns tomaram uma vitamina com 48 gramas de nozes (o equivalente a aproximadamente sete nozes inteiras ou 315 calorias), enquanto outros tomaram placebo, com o mesmo sabor e conteúdo calórico. Após um mês tendo voltado à dieta habitual, os pacientes passaram por um segundo teste de cinco dias ingerindo as bebidas. Depois disso, foram realizados exames cerebrais enquanto os pacientes observavam imagens de alimentos com alto teor de gorduras, como um bolo, e de alimentos com baixo teor, como vegetais, ou imagens neutras de rochas e árvores. Os resultados mostraram que quando os participantes observavam fotos de alimentos gordurosos, a atividade da ínsula – região do cérebro responsável pelo apetite e controle de impulsos – era maior naqueles que consumiram a bebida com nozes. Isso sugere que o consumo regular da noz pode reduzir o apetite e ajudar na alimentação correta. “Elas podem alterar a forma como vemos a comida e impactar nosso apetite”, disse Olivia Farr, principal autora da pesquisa ao The New York Times. “Nossos resultados confirmam a opinião dos especialistas, que recomendam o consumo de nozes como parte de uma dieta saudável.”

Fonte: Revista Veja, Ed. Abril.

Voltar